Cefaleias Trigêmino-Autonômicas


Definição:


Grupo de cefaleias idiopáticas do qual faz parte a cefaléia em salvas onde há ativação de vias nociceptivas trigeminovasculares e concomitantemente ativação autonômica craniana reflexa.

A versão revisada da classificação internacional das cefaleias da International Headache Society (IHS) denomina este grupo como o das cefaleias  trigêmino-autonômicas (CTA).

Todas estas síndromes álgicas têm duas características em comum:

  • crises de curta duração,
  • unilaterais de
  • dor muito intensa e
  • sintomas autonômicos típicos concomitantes.

Até o momento, as seguintes síndromes pertencem ao grupo das CTA:


• Cefaléia em salvas episódica e crônica (CS)
• Hemicrania paroxística episódica e crônica (HP)
• Cefaléia breve, unilateral, neuralgiforme com      hiperemia conjuntival e lacrimejamento       (síndrome SUNCT).

As síndromes diferem quanto à duração, freqüência e ritmo dos ataques, bem como na intensidade da dor, dos sintomas autonômicos e opções terapêuticas.

Para os clínicos que procuram uma compreensão fisiopatológica destas dores primárias, o conceito de síndrome trigêmino-autonômica é muito útil, pois permite a contextualização clínica e direciona
assim para o tratamento da dor e sua prevenção.


Epidemiologia


Comparada à migrânea, a cefaléia em salvas é relativamente rara. CS tem prevalência menor que 1% e acomete principalmente homens.

Antes de 1990 a CS não era considerada um distúrbio hereditário.

No entanto, a observação de
CS em gêmeos idênticos e o relato de ocorrência familiar em 7% dos pacientes ressalta a importância de se considerar fatores genéticos em sua etiologia.

Ainda não foi encontrado o modo de transmissão.

Uma das perguntas mais importantes dos pacientes a seus médicos é se, como ocorre na migrânea, a cefaléia em salvas tende a regredir com o envelhecer.

Tomados em conjunto, estudos admitem que, no curso natural desta condição, ocorre remissão dos sintomas com o avançar da idade.


Patofisiologia


Apesar de a síndrome ser clinicamente bem definida e ser reconhecida há mais de dois séculos, sua fisiopatologia é ainda pouco compreendida.

No entanto, na última década houve considerável progresso no caminho para se desvendar
o quebra-cabeças fisiopatológico da CS.

O curso remitente-recorrente, a sazonalidade e a regularidade circadiana das crises são característicos e sugerem o acometimento do relógio biológico, a saber, o hipotálamo, na origem da doença.


Exames de neuroimagem funcional

Utilizando tomografia com emissão de pósitrons (PET) confirmam uma específica ativação hipotalâmica durante as crises de CS.


Características clínicas

Na forma episódica, os ataques relativamente curtos (duração de 15-180 minutos) de dor excruciante
ocorrem diariamente por algumas semanas e são seguidos por um período de remissão.

Na forma crônica, os ataques ocorrem sem que haja um período de remissão superior a um mês. Em média, um período de salva dura cerca de 6 a 12
semanas e a remissão chega a durar 12 meses.

O diagnóstico de CS é exclusivamente clínica. A Classificação Internacional das Cefaleias utiliza critérios explícitos 


Definição de cefaleia em salva:


A: Pelo menos 5 crises preenchendo os critérios de B-D:

B: Dor forte e muito forte unilateral, orbitária, supra-orbitária e/ou temporal, durando de 15-180 minutos, se não
tratada.

C: Cefaléia acompanha-se de pelo menos um dos seguintes:

1. Hiperemia conjuntival e/ou lacrimejamento ipsilaterais

2. Congestão nasal e/ou rinorréia ipsilaterais

3. Edema palpebral ispsilateral

4. Sensação de inquietude ou agitação

D: As crises têm uma frequência de uma a cada dois dias a oito por dia.


Tratamento

Em geral o tratamento da cefaleia em salvas é dividido em agudo, visando abortar uma crise de dor, e profilático, visando evitar a recorrência de ataques de dor durante um período de salva. Tratamento não farmacológico é ineficaz em
praticamente todos os casos.

Tratamento Agudo

Oxigênio puro (100%) inalado por máscara facial com reservatório a pelo menos 7 L/min (às vezes mais de 10 L/min) é eficaz como abortivo de crise de dor.

Inalação deve durar 20 minutos e o paciente permanecer sentado. Não há contraindicações
conhecidas para o uso de oxigênio na crise de dor. Cerca de 60% de todas as CS respondem a esta terapia, com redução significativa da dor em cerca de 20 a 30 minutos.

Ergotamina

Via oral tem sido usada no tratamento de crise de dor há mais de 50 anos e pode ser eficaz se ingerido precocemente em um ataque.

Triptano

Injetável sub-cutâneo ou spray intra-nasal são eficazes em cerca de 75% de todos os pacientes com cefaléia em salvas (alívio da dor em 20 minutos).

A absorção e ação farmacológica de
medicamentos via oral é geralmente muito lenta.

Contra-indicações: distúrbios cardio e cerebrovasculares e hipertensão
arterial não controlada. O uso preemptivo de triptanos na CS é controverso.

Farmacoterapia preventiva (profilaxia)

Posto que a maioria dos pacientes tem de um a oito ataques de dor ao dia, um tratamento preventivo eficaz é de grande importância.

Os objetivos primários do tratamento preventivo são suprimir os ataques e manter a remissão durante o
período esperado de recorrência da dor.

Para tanto uma terapêutica individualizada deve ser planejada junto ao paciente.

Na CS episódica, uma vez controlada a salva a medicação deve ser retirada no período esperado para o fim daquela salva.

Na CS crônica a medicação deve ser reduzida a cada dois meses, para determinar se ainda será necessário seu uso.

Verapamil

É usado como base do tratamento profilático. É necessário acompanhamento regular com ECG seriado. Como o verapamil é geralmente bem tolerado, ele é também a droga de escolha no tratamento da cefaléia em salvas crônica.

Lítio

Lítio (carbonato de lítio) também é bastante eficaz; a melhora na CS crônica pode chegar a 78%.

É necessário acompanhamento regular da função renal, hepática, tireoidiana e de eletrólitos.

Metisergida

O grau de eficácia referido para metisergida varia entre 20% e 73%. No entanto, esta medicação não pode ser usada por mais de 4 meses.

Corticóides

Também são bastante eficazes, mas pelos efeitos colaterais devem ser usados somente por tempo limitado, por poucos
dias a semanas.

  Copyright © 2011 International Association for the Study of PainReferências
[1] Ekbom K. Clinical aspects of cluster headache. Headache 1974;13:176–80.
[2] Goadsby PJ, Lipton RB. A review of paroxysmal hemicranias, SUNCT syndrome and other short-lasting headaches with autonomic
feature, including new cases. Brain 1997;120:193–209.
[3] Headache Classification Subcommittee of the International Headache Society. The international classification of headache
disorders, 2nd ed. Cephalalgia 2004;24(Suppl 1):1–160.
[4] May A. Cluster headache: pathogenesis, diagnosis, and management. Lancet 2005;366:843–55.
[5] Sjaastad O, editor. Cluster headache syndrome. London: W.B. Saunders; 1992.
Tradução: Dr. José Geraldo Speciali / Dra. Fabíola Dach / Dr. Roberto Setlin / Dra. Karen Ferreira